19 dicas imperdíveis para evitar que seus emails caiam no spam

Dicas de como não cair na caixa de spam

Enviar email pode até parecer uma tarefa fácil, mas garantir que a mensagem chegue, de fato, na caixa de entrada das suas leads, pode ser um pouco mais complicado do que você imagina. 

Por isso, eu trouxe aqui para você 19 dicas de como não cair na caixa de spam.

Só para você ter uma noção do que eu estou falando, em média, um em cada cinco emails comerciais nunca chegam à caixa de entrada do usuário.

O que aconteceu com esse email que se perdeu?

Ele pode ter sido bloqueado pelos provedores de email (Gmail, Yahoo, Hotmail…).

Ou foi enviado para o lixo eletrônico…

Ou para a caixa de promoções, que muitas pessoas nem se lembram de ver…

O lance é que não importa muito qual foi a destinação dessa mensagem. 

O fato é que, com ações simples e estratégias aplicadas da forma certa, você pode aumentar as chances da sua mensagem chegar na caixa de entrada dos seus potenciais clientes.

E isso pode ter um impacto significativo no seu negócio.

Pensa só: cada email que vai para o spam, lixo eletrônico, pasta de promoções… É uma oportunidade que se perde da sua lead ser educada e nutrida pelo seu conteúdo.

Ou, então, dela ter acesso a uma oferta especial que você preparou para ela.

E não é só isso. A sua reputação como enviador de email tende a ter um efeito cascata e prejudicar as próximas campanhas.

Como assim?

Como remetente, quanto mais as suas mensagens caem na caixa de spam, mais chances os seus próximos conteúdos têm de ter o mesmo destino.

Ou seja, potenciais clientes que estavam recebendo a sua mensagem na caixa de entrada podem não receber mais.

E aí a gente volta naquilo que eu te falei, que todo email seu que não chega no lugar certo é uma oportunidade a menos para o seu negócio.

Olha só o que aconteceu aqui no KP quando a equipe de entregabilidade (a área responsável por cuidar das campanhas de email marketing e otimizá-las para não cair na caixa de spam) começou a aplicar dicas que eu vou compartilhar nas próximas linhas:

Enquanto a campanha de Jan/2019 teve 35,21% de envios a menos, se comparada com a de Mai/2018, ela obteve 63,03% a mais de cliques que a do ano anterior.

Isso quer dizer que mesmo enviando menos emails, a Klick teve um resultado consideravelmente maior na taxa de cliques.

Como mais conteúdo estava chegando no lugar certo, mais leads tinham a oportunidade de ler a mensagem e interagir com ela.

O impacto final disso foi um aumento de mais de 34% no faturamento da campanha de Jan/2019, se comparar com a de Maio/2018.

Ficou curioso para saber quais são essas dicas e como aplicá-las no seu negócio? Então, continua aqui comigo até o final.

Bora lá?

1. Pense bem no assunto do email

Uma das primeiras coisas que tanto o usuário quanto o provedor de email veem quando recebem o seu email é: o assunto.

E esse é um dos pontos mais determinantes para definir se uma mensagem vai ser considerada ou não um spam.

Pensa comigo… 

Quando chega um alerta de novo email ou quando você abre a sua caixa de entrada para dar uma conferida, você provavelmente dá uma escaneada nos assuntos para decidir qual vai ler primeiro e se você vai ler.

Dependendo do que for, você deixa para ver depois (e esse depois pode nem chegar) ou, então, deleta a mensagem, marca como lida apenas para a notificação desaparecer…

Enfim, por ser um fator que influencia bastante na decisão de abrir e ler um email, os provedores ficam de olho nos assuntos, principalmente naqueles que parecem ser clickbaits.

Se você não quer que a sua mensagem vá parar no lixo eletrônico, é bom evitar termos e expressões como “compre agora”, “clique aqui”, “promoção”, “grátis”, “ganhar dinheiro”, “grande oferta”.

Geralmente emails que contêm essas frases são marcados automaticamente como spam pelo provedores.

Além disso, NÃO ESCREVA O ASSUNTO EM CAIXA ALTA!!!!!!!! e nem com diversas exclamações.

O ideal é que os títulos tenham até 60 caracteres (contando os espaços) e despertem a curiosidade do leitor de forma positiva, sem parecer que é só mais uma mensagem não solicitada tentando empurrar algum produto ou serviço que o usuário não quer.

Aqui no blog do KP temos um artigo com 20 fórmulas práticas que vão te ajudar a escrever assuntos irresistíveis. Para conferir, é só clicar aqui. 

Agora, falando ainda sobre aspectos que influenciam se o destinatário vai abrir o email ou mandar ele direto para a lixeira sem nem saber o que é o conteúdo…

2. Escolha um nome de remetente familiar

O nome do remetente aparece junto com o assunto da mensagem. 

E por que ele é tão importante?

Porque é o nome do remetente que vai ajudar o usuário a reconhecer de onde veio aquele email e se é algo do interesse dele.

Nomes familiares que facilitem essa identificação podem tornar a sua mensagem mais confiável para o usuário e evitar que ele a mova para a caixa de spam por não saber quem foi que enviou.

O ideal é optar pelo nome do seu negócio ou por nome de pessoas acompanhado do nome do seu negócio. 

3. Tenha cuidado com o conteúdo

A terceira dica para evitar que os seus emails vão parar na caixa de spam é cuidar do conteúdo.

A sua mensagem deve ser de qualidade, ou seja, algo que realmente interesse os seus potenciais clientes e que gere valor para eles (entretenimento, ensinar algo novo, oportunidade única de adquirir um produto ou serviço).

E também você deve ter o zelo de revisar o texto e conferir para que não haja erros de digitação e frases que não façam sentido.

Enviar conteúdo impróprio (e aqui eu não estou falando só de conteúdo adulto ou coisas do tipo, mas também de mensagens não solicitadas) é um grande passo na direção da caixa de spam.

Lembrando que, uma vez que um usuário te marca como spam, isso afeta a reputação do seu remetente fazendo com que os seus emails para outros destinatários também tenham mais chances de irem automaticamente para o lixo eletrônico.

4. Atenção com as imagens

Provavelmente, alguma vez você já recebeu um email em que no topo, antes de começar o conteúdo da mensagem, tinha um alerta avisando que por segurança as imagens não foram exibidas. 

Tipo esse daqui:

Esse tipo de alerta pode abalar a confiança do usuário. Principalmente se a sua mensagem não tiver um bom balanço entre texto e imagens. 

Ou seja, se os usuários não conseguirem compreender o seu conteúdo sem depender de imagens.

Emails que são apenas uma grande imagem colada no corpo do texto têm grandes chances de serem ignorados e deletados.

O que não é nada bom para a visão que os provedores têm do seu negócio como um remetente.

O meu conselho é: se você decidir incluir imagens para tornar a sua mensagem mais atraente, equilibre o conteúdo com texto e não deixe de preencher o atributo alt (que é um texto alternativo que é mostrado quando a imagem não é exibida).

5. Opte por templates HTML

Uma solução para deixar o design do seu email mais atrativo e evitar que as imagens sejam bloqueadas é utilizar templates HTML, que são modelos de emails prontos que você pode customizar com a sua mensagem.

Mas vale a pena ficar atento a dois pontos:

  1. Códigos HTML malfeitos podem fazer com que sua mensagem seja marcada com spam;
  2. Segundo pesquisa, emails em HTML têm taxa de cliques menor do que aqueles que são apenas texto. Mas você pode fazer testes A/B e ver o que funciona para a sua lista.

Apesar desses dois pontos, se bem utilizados, os templates HTML são uma opção eficiente para quem quer enviar uma mensagem criativa com menos chances de cair na caixa de spam.

6. Seja mobile friendly

Hoje em dia, muita gente acessa email pelo celular. 

Só para você ter noção, 63,2% das população brasileira tem o costume de ler emails pelo celular.

E o que isso tem a ver com evitar que a sua mensagem caia no spam?

Se você constantemente envia emails que não tem um design responsivo que se adapta às telas menores, os seus potenciais clientes podem ter dificuldades de consumir o conteúdo e acabar movendo a sua mensagem para a caixa de spam. 

Com o tempo isso tem a possibilidade de se tornar um sinal negativo para os provedores de email e pode prejudicar a sua entregabilidade.

Portanto, use templates HTML que são responsivos e evite imagens muito grandes ou fontes muito pequenas que sejam difíceis de visualizar em dispositivos móveis.

7. Estimule a interação

Pensa comigo… 

Como usuário de email, o que você provavelmente quer ver na sua caixa de entrada é aquilo que é de fato importante e interessante para você.

Eu, pelo menos, não conheço ninguém que goste de ter o email cheio de promoções e ofertas que nunca foram solicitadas.

Por isso, os provedores fazem o melhor possível para entregar na caixa de entrada as mensagens que têm potencial de serem interessantes para o leitor.

E para conseguir fazer isso, eles buscam por sinais que indicam que os emails de determinado remetente são envolventes.

O que isso quer dizer?

Que quanto mais as pessoas abrem, clicam nos links, respondem e encaminham os emails que você envia, melhor fica a sua reputação aos olhos do provedor.

E, consequentemente, a sua entregabilidade aumenta.

Por isso, não deixe de incluir no conteúdo do seu email CTAs para clicar em um link, ou responder a sua mensagem caso tenha dúvidas, ou até mesmo encaminhar para um amigo que gostaria de ler aquilo. 

8. Peça para marcar como remetente confiável

Em alguns prédios comerciais, quando você vai pela primeira vez é necessário apresentar documentos e fazer todo um cadastro antes de você ser autorizado a entrar.

Mas depois disso, geralmente, nas próximas vezes que você vai lá, só precisa apresentar uma identificação para poder ir na sala que você quer.

Você não precisa passar novamente por todo o processo de cadastro.

No email funciona mais ou menos assim… 

Uma vez que as suas leads te marcam como remetente confiável, importante ou te adicionam à lista de contatos delas, elas estão dizendo para os provedores que podem deixar a sua mensagem entrar para a sua caixa de entrada.

É como se você não precisasse provar todas as vezes para o provedor de que o seu conteúdo é interessante, porque a sua lead já fez isso por você.

Então, principalmente no seu primeiro contato, não deixe de pedir para os seus destinatários te marcarem como um remetente confiável.

Isso vai evitar com 99,99% de certeza que a sua mensagem não vai cair na caixa de spam, pelo menos não para as pessoas que fizerem isso.

Além disso, melhora a sua reputação com o provedor.

9. Forneça a opção de descadastro

Em vários países pelo mundo, como os Estados Unidos, já existem leis que determinam que todo email marketing deve conter uma opção de descadastramento.

Aqui no Brasil, atualmente, há um código de autorregulamentação para a prática de email marketing (CAPEM) que estabelece que as mensagens devem obrigatoriamente incluir um link para descadastro automático.

Além disso, segundo o CAPEM, o prazo para remoção do endereço de email da base de contatos não pode ser superior a 2 dias úteis quando solicitado diretamente pelo link de descadastramento e 5 dias úteis quando solicitado por outros meios, como telefone e suporte via chat. 

Mas não é só por causa disso que você deve incluir nos seus e-mails a opção de descadastro.

Pensa só: se uma lead não quer mais fazer parte da sua lista, porque ela não tem mais interesse no seu conteúdo, e ela não consegue se descadastrar, provavelmente ela vai começar a te marcar como spam para não receber mais seus emails.

Ou, então, ela vai parar de abrir e deletar todas as suas mensagens.

De um jeito ou de outro, nenhuma dessas ações pegam bem e elas podem manchar a sua imagem com o provedor.

Afinal de contas, se várias pessoas estão te marcando como spam porque elas não conseguem fazer o descadastro, a impressão que você vai passar é de você de fato está fazendo spam. 

10. Tenha uma periodicidade de envio

Como usuário, as chances são que alguma vez você se arrependeu de se cadastrar em uma lista.

Simplesmente porque a sua caixa de entrada começou a ficar lotada de emails, e o pior, de mensagens que não eram interessantes e nem geravam valor algum para você ou para o seu negócio.

Ou seja, conteúdos que não te interessavam, entretinham ou ensinavam algo novo.

Por outro lado, tem aquelas listas que você entrou há algum tempo, mas nunca recebeu nenhum email.

E provavelmente, quando eles te enviarem alguma coisa, você nem vai se lembrar mais por que se inscreveu ou qual era o seu interesse naquele negócio.

Nem um dos dois cenários é bom. Eles dificultam a criação de um relacionamento entre a empresa que está enviando emails e os potenciais clientes.

E a chave para aumentar as chances de não cair na caixa de spam é justamente o relacionamento. 

Afinal de contas, quanto mais as pessoas interagem com a sua mensagem, melhor fica a sua imagem aos olhos  dos provedores.

Por isso, o ideal é encontrar uma periodicidade adequada para se comunicar com a sua lista e manter a frequência de envio de mensagens.

11. Construa sua própria lista de emails

Com uma busca rápida na internet, você consegue encontrar listas de email para comprar, às vezes por preços até bem baixos.

Ou seja, com pouco esforço e um custo pequeno você pode ter na sua mão, centenas e até mesmo milhares de endereços de email para enviar o seu conteúdo e ofertar seu produto ou serviço.

Mas, apesar de toda a praticidade, por que isso não soa como uma boa ideia?

Primeiro, porque de acordo com o CAPEM (o código de autorregulamentação), você só pode enviar email para pessoas que optaram por entrar na sua lista, ou seja, não é permitido comprar bases de emails.

Segundo, porque fazer isso vai prejudicar a sua entregabilidade e aumentar as taxas de mensagens que vão parar no spam.

Pensa só… 

Se a pessoa não se cadastrou para receber conteúdos seus, muito provavelmente é porque ela não tem o menor interesse no conteúdo que você está ofertando.

Isso quer dizer que ela é uma forte candidata a te marcar como spam.

Agora imagina um monte de pessoas, centenas, milhares… Que fazem parte da lista que você comprou te marcando como spam no primeiro email que você mandar.

Acredito que isso vai passar uma imagem nada positiva para os provedores e pode até gerar punições como a marcação em blacklists (uma espécie de lista de remetentes com baixa reputação que ficam temporária ou permanentemente proibidos de enviar emails para endereços pertencentes a um determinado provedor).

Sabendo de tudo isso, você deve focar em construir a sua própria lista com pessoas que estão interessadas no que o seu negócio pode oferecer.

Inclusive, a próxima dica tem tudo a ver com isso.

12. Use confirmação dupla

O sistema de confirmação dupla, também conhecido como double opt-in, funciona da seguinte forma:

  1. a lead deixa o email em um formulário de inscrição;
  2. ela precisa entrar no email, abrir a mensagem de confirmação e clicar no link.

Só depois desses dois passos é que ela passa a fazer parte da sua lista. 

Qual a vantagem de fazer isso?

Primeiro, você garante que todos os endereços na sua base são válidos, afinal de contas, a pessoa precisou acessar a sua mensagem de confirmação pendente para entrar na sua lista.

Segundo, você aumenta as chances de enviar emails apenas para as pessoas que de fato estão interessadas no que você tem a oferecer.

É como se fosse um filtro. 

Se o potencial cliente não fez nem o esforço de confirmar a inscrição, no futuro as chances são que ele não vai abrir os seus emails e nem interagir com o seu conteúdo.

Não vale a pena ter essas pessoas na sua lista. 

O mesmo vale para o tipo de lead que eu vou falar na próxima dica.

13. Entre em contato com leads inativas

Como eu já te falei várias vezes ao longo deste artigo, o quanto os seus destinatários interagem com a sua mensagem é uma métrica importante para os provedores decidirem o que vai ou não cair na caixa de spam.

Isso quer dizer que se você envia email para muitas pessoas que não estão nem abrindo, pode acabar causando uma má impressão.

E como você reduz as chances de isso acontecer?

É o seguinte, alguns potenciais clientes entram para a sua lista, mas com o tempo perdem o interesse no seu conteúdo por diversos motivos.

Aí você continua falando com eles, mas eles simplesmente não engajam mais.

Isso seria o equivalente de você mandar várias mensagens para alguém no WhatsApp e essa pessoa nunca te responder.

Vale a pena insistir em manter um relacionamento com ela? Acredito que não.

Pelo menos, no mundo do email marketing, não faz sentido correr o risco de manchar a sua reputação com os provedores de email tentando se comunicar com pessoas desinteressadas.

Mas antes de tomar uma decisão final sobre o que fazer com as suas leads inativas (aquelas que não abrem mais os seus emails há algum tempo), você pode tentar uma cartada final.

Enviar uma mensagem para tentar recuperar esses potenciais clientes com um link para eles confirmarem o interesse em continuar na sua lista ou caso o contrário serem automaticamente descadastrados.

Agora, as leads inativas não são o único tipo que você deve prestar atenção…

14. Fique de olho nas estatísticas de bounce e spam

O bounce é um erro na entrega do email. 

Esse erro pode ser permanente (hard bounce), por exemplo, caso o endereço de email esteja errado ou não exista mais.

Ou pode ser temporário (soft bounce), como quando a caixa de entrada está cheia e a pessoa não pode mais receber mensagens naquele momento.

Se as suas taxas de bounce, assim como a quantidade de leads marcando as suas mensagens como spam, são altas, a sua reputação pode ser prejudicada.

E insistir em mandar email para essa galera pode diminuir a sua entregabilidade.

O ideal é não mandar mais emails para endereços com hard bounce e pessoas que te marcaram como spam.

E ficar de olho nas leads com soft bounce recorrentes, aquelas que sempre que você envia alguma coisa é marcada com esse tipo de erro. 

15. Limpe a sua lista de contatos

Nas últimas duas dicas, eu te falei sobre tipos de leads que podem prejudicar a sua entregabilidade: inativas, com hard bounce e soft bounce recorrente, e que te marcaram como spam.

Além disso, existem as leads pendentes, que são aquelas que não finalizaram o processo de confirmação dupla. Ou seja, você não consegue enviar email para elas, mas elas permanecem na sua base.

Toda essa galera que eu acabei de mencionar basicamente só serve para ocupar espaço na sua lista e aumentar as chances de as suas mensagens caírem na caixa de spam.

Ou seja, endereços de email que não são de fato valiosos para o seu negócio.

Periodicamente você deve fazer uma limpeza na sua lista para desapegar dessa galera que pode prejudicar a sua entregabilidade.

16. Segmente o envio de mensagens

Nem todo mundo que está na sua lista tem interesse em TODOS os conteúdos que você vai mandar.

Por exemplo, um dia desses eu comprei algumas roupas no e-commerce de uma loja de departamento.

E na semana seguinte, eu comecei a receber emails com ofertas e promoções para eu aproveitar.

O que me chamou a atenção foi que eram mensagens sobre descontos em peças infantis. Só que além de eu não ter filhos ou sobrinhos, eu nunca comprei uma peça infantil naquela loja.

Para ser bem sincera, nunca nem pesquisei por roupas infantis naquele e-commerce. 

Ou seja, eu não dei sinais de que eu tinha interesse nesse tipo de conteúdo e me incomodou muito receber inúmeros emails com esse tipo de promoção.

Resultado: com menos de duas semanas da compra, eu cancelei a minha inscrição para receber ofertas e promoções no meu email.

Eu te contei esse exemplo porque é possível que na sua lista tenha pessoas com interesses diferentes nos produtos e serviços que o seu negócio oferece.

Nem todo mundo quer saber de tudo o que você oferece.

E não levar isso em consideração pode fazer com que as suas leads se descadastrem ou te marquem como spam.

Na hora de configurar as suas campanhas, você deve segmentar e enviar a sua mensagem só para quem tem potencial de tirar proveito dela. 

17. Utilize um domínio próprio

Tanto por uma questão de branding quanto de entregabilidade, você deve preferir utilizar um domínio próprio para enviar os seus emails.

Como assim?

É melhor usar um endereço tipo [email protected] do que [email protected].

Primeiro, porque passa mais credibilidade e profissionalismo usar um domínio próprio.

Segundo, pois o seu domínio é uma forma de te identificar como enviador e também de verificar como está a sua reputação.

18. Use uma ferramenta adequada para disparo de emails

Para conseguir implementar da melhor forma possível as dicas que eu te dei nas últimas linhas, você vai precisar de uma ferramenta de disparo de emails.

Não tem como fugir disso.

Porque simplesmente não dá para organizar a lista, segmentar os envios, monitorar suas estatísticas, dentre outras coisas que eu te falei utilizando a sua conta de email para fazer isso.

No mercado existem várias opções de ferramentas de disparo de e-mails, mas eu não poderia deixar de recomendar aqui para você o Klicksend.

Ele é uma ferramenta de email marketing intuitiva e simples de usar, onde você pode gerenciar a sua lista de contatos, fazer a segmentação utilizando tags, acompanhar as principais métricas tudo em um só lugar, além de integrar seus formulários com as páginas de captura.

Quer saber mais sobre o Klicksend? Então, clique aqui e confira o que essa ferramenta é capaz de fazer pelo seu negócio.

19. Busque uma boa avaliação dos provedores de email

Todas as dicas que eu te dei nas últimas linhas estão focadas na única coisa que importa para aumentar a sua entregabilidade: a avaliação que os provedores de email fazem do seu negócio como remetente.

O provedor é como se fosse o porteiro da conta de email das suas leads, é ele que decide quem vai entrar ou não com base nas informações do usuário.

Ou seja, ele tem o poder de barrar a sua mensagem e fazer com que ela não chegue nem mesmo na caixa de spam.

Para você se sair bem no jogo do email marketing, você precisa seguir as boas práticas definidas pelos provedores, ferramentas de envio e referências na área de entregabilidade.

Conclusão

Neste artigo, eu te falei um pouco sobre a importância de fazer com que os seus emails cheguem na caixa de entrada das suas leads.

O que à primeira vista pode até parecer uma coisa fácil, mas na verdade exige um certo trabalho para fazer com que você crie mensagens que não mereçam cair no spam.

Mas, no final das contas, vale muito a pena. 

Pois como eu te mostrei logo no começo, desde que a gente começou a aplicar essas dicas internamente aqui no KP, não só a nossa taxa de cliques cresceu, como também o faturamento.

E, agora, com essas 19 dicas na mão, você tem acesso ao conhecimento que precisa para melhorar os resultados das suas campanhas de email marketing.

Ah, e só para relembrar alguns pontos importantes que eu te falei: pense bem no assunto e cuide do conteúdo, estimule a interação com a sua mensagem e não esqueça de segmentar e enviar conteúdos para quem de fato está interessado.

E aí, quais dessas dicas você já aplicava? Qual foi novidade? Me conta aqui nos comentários que eu vou adorar saber! 😉

(Este artigo foi originalmente publicado em 16 de outubro de 2019 e atualizado em 31 de agosto de 2021 por João Pedro Ferreira para oferecer informações mais precisas e completas).

COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS!

Sobre o Autor

Meu nome é Angela, mas algumas pessoas me chamam de Angel. Faço parte do time de conteúdo do Klickpages e sou apaixonada por tecnologia e marketing. Sou especialista em SEO, tráfego orgânico e informações aleatórias (você sabia que o Alaska está mais perto da Rússia do que Brasília de Goiânia? Pois é...), fã de country americano e louca em esportes. Acompanho de tudo, mas meus favoritos são Fórmula 1 e futebol, inclusive assisto a jogos mesmo quando o meu time (Palmeiras <3) não está em campo. Ah, eu acredito que música de natal deveria tocar o ano inteiro e Christmas Peaceful Piano está entre as 3 playlists mais tocadas no meu Spotify.